Os escândalos do Governo Dilma Rousseff

Publicado en por Ivonne Leites. - Atea y sublevada.

Dilma quer evitar ideia de denuncismo após queda de 4º ministro.


LOS LOBBYS EMPRESARIALES PULULAN EN LOS INTESTINOS BUROCRÁTICOS DE LOS MINISTERIOS BRASILEIROS REBUSCANDO JUGOSOS CONTRATOS … ELLO CONSTITUYE UNA DE LAS CAUSAS DE QUE YA HALLAN RODADO CUATRO CABEZAS DE MINISTROS DILMISTAS/ LULISTAS.


Wagner Rossi, titular de Agricultura,  es el cuarto ministro que sale de la joven administración de Dilma Rousseff, que asumió el gobierno el 1º de enero. El primero de ellos fue el jefe del Gabinete, Antonio Palocci, acusado de enriquecimiento ilícito, seguido por el de Transporte, Alfredo Nascimento, también acusado de corrupción en su gestión. También salió Nelson Jobim de Defensa tras unas comprometidas declaraciones en contra del gobierno de la mandataria brasileña.


Wagner Rossi es el cuarto ministro de la Rousseff en caer.
La caída en desgracia de Rossi tiene una especial relevancia debido a que está afiliado al PMDB, socio menor del PT lulista y lleva otra característica especial: se trataba de una persona cuya posición política estaba respaldada por el vice-presidente, Michel Temer, también del  PMDB.


     

 

Renunció Wagner Rossi ministro de Agricultura de Dilma Rousseff

.
El ministro de Agricultura de Brasil, Wagner Rossi, presentó su renuncia a la presidenta Dilma Rousseff, en medio de numerosas denuncias de corrupción en su cartera, confirmó la noche de ayer a la AFP la oficina de prensa de la Presidencia.
AFP – Brasilia

-

“EN LOS ULTIMOS 30 DIAS HE ENFRENTADO ACUSACIONES FALSAS SIN NINGUNA PRUEBA”

.
Wagner Rossi. Acusado de sobornos y manipulación de licitaciones. “En los últimos 30 días he enfrentado diariamente una descarga de acusaciones falsas, sin ninguna prueba. Ninguna de ellas indicando un solo acto que pudiese ser tachado de ilegal o impropio en el trato de la cosa pública”, reza una carta del funcionario, citada por la estatal Agencia Brasil.

La Policía Federal (PF) brasileña abrió una investigación esta semana sobre las denuncias de supuesta corrupción en el ministerio, que abarcan aceptación de sobornos y manipulación en las licitaciones, de las que Rossi supuestamente tenía conocimiento.

“Todo (es) falso, todo (fue) rebatido (…) Respondí a cada acusación con documentos comprobatorios que la prensa solamente ignoró”, zanjó.

.

LAGRIMAS DE COCODRILO

.

En una nota, Rousseff “lamentó profundamente la salida del ministro Wagner Rossi, que dio una importante contribución al gobierno con proyectos de calidad que fortalecieron la actividad agropecuaria brasileña”.

La mandataria condenó además “que el ministro no haya contado con el principio de presunción de inocencia delante de las denuncias contra él”, sin profundizar en detalles.

“Agradezco su empeño, su trabajo y dedicación”, concluye el texto de la mandataria, que la semana pasada había dado un espaldarazo y reiterado su confianza en Rossi. El secretario ejecutivo del ministerio, José Gerardo Fontelles, segundo cargo en importancia, asumirá la cartera hasta tanto se nombre a su nuevo titular.

Wagner Rossi es el cuarto ministro que sale de la joven administración de Dilma Rousseff, que asumió el gobierno el 1º de enero. El primero de ellos fue el jefe del Gabinete, Antonio Palocci, acusado de enriquecimiento ilícito, seguido por el de Transporte, Alfredo Nascimento, también acusado de corrupción en su gestión. También salió Nelson Jobim de Defensa tras unas comprometidas declaraciones en contra del gobierno de la mandataria brasileña.

  http://www.larepublica.com.uy/mundo/468001-renuncio-wagner-rossi-ministro-de-agricultura-de-dilma-rousseff


Dilma Rousseff quiere evitar la idea de denuncismo después de la caída de cuarto de sus ministros.
En conversación con el PSB, PDT, y PC do B, Dilma Rousseff desestimó la percepción de que el gobierno fomenta las quejas contra sus aliados, informa “Painel”, editado por Renata Lo Prete, publicado en la edición del jueves. La presidenta advirtió, sin embargo, que contra las investigaciones realizadas por los órganos de control “no puede ni debe hacer nada”.

Marcela Temer, de 27 años. su marido ”El Libanés” Michel Temer tiene 71 años.

Marcela Temer, la joven esposa del nuevo vicepresidente de Brasil, Michel Temer, fue la sensación de la ceremonia de investidura de la presidenta Dilma Rousseff y se convirtió en el tercer asunto más comentado en las redes sociales…

“EL LIBANES” SOCIO MENOR DEL LULISMO - Michel Temer (Tieté, 23 de septiembre de 1940) es un abogado y político brasileño de origen libanés, presidente del Partido del Movimiento Democrático Brasileño. Actualmente es el vicepresidente de Brasil, tras resultar electo junto con su compañera de fórmula, Dilma Rousseff.



Antonio Palocci,

Alfredo Nascimento

Nelson Jobim

Wagner Rossi

Quatro ministros jâ deixaram o cargo

PRIMER MINISTRO (CASA CIVIL) – Antonio Palocci – negócios como consultor

MINISTRO DE TRANSPORTES – Alfredo Nascimento – órganos ligados a pasta cobrariam propina de empreteiras

MINISTRO DE DEFENSA – Nelson Jobim – críticas ao governo – 05-08-2011 – La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, destituyó a su ministro de Defensa, Nelson Jobim, quien criticó a varios de sus compañeros de gabinete y dijo haber votado por el candidato opositor José Serra en la elección presidencial de 2010. Se trató del tercer cambio que la presidenta brasileña realiza en su gabinete en los siete meses que lleva en el cargo, pues ya antes removió de la jefatura de Gabinete a Antonio Palocci y del Ministerio de Transporte a Alfredo Nascimento.

MINISTRO DE AGRICULTURA – Wagner Rossi – irregularidades da pasta

MINISTRO DE TURISMO – Pedro Novais - irregularidades em convênios da pasta

RELACOES INSTITUCIONAIS – Luiz Sergio – realocado no Ministerio da Pesca

 

 

               

Dilma Rousseff y su vicepresidente “El Libanés” Michael Temer nunca fueron íntimos, por decir lo menos. Las conversaciones eran poco frecuentes en los primeros siete meses en el cargo. Pero esta semana ellos conversaron más. Fue entonces cuando el ministro de Agricultura Wagner Rossi, del PMDB (Partido del Movimiento Democrático Brasileño) igual que Michael Temer,  terminó cayendo.

Para todos los efectos, la caída se produjo porque el Ministro de Agricultura no pudo soportar las presiones y los efectos de la prensa negativa sobre su familia.

Sin embargo, la salida de Rossi provocó entre los políticos la misma recurrente reflexión sobre las razones de la actual ola de despidos. Entre los analistas se atribuye a Dilma inapetencia (desinterés) por la POLITICA MICRO (Dilma Rousseff sería dada a la macro-política) 

 


                                   

 

Dilma y Ollanta: ¿visión compartida?

 

.

  

Rossi cai, e Dilma perde o 4º ministro em oito meses ; queda de Rossi testa relação Dilma-Temer, diz Fernando Rodrigues

Qui, 18 de Agosto de 2011 07:47

 Ex-titular da Agricultura culpa “campanha sórdida” e “acusações falsas” O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, pediu demissão ontem, atingido por uma onda de acusações que apontou pagamento de propinas, influência de lobistas e aparelhamento político em sua gestão no ministério.
Rossi, 68, é o quarto ministro a deixar o governo Dilma Rousseff, menos de oito meses depois da posse da presidente. Filiado ao PMDB, ele estava no ministério desde o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Rossi era uma indicação pessoal do vice-presidente Michel Temer. Sua queda arranha o coração do governo e abala a delicada relação entre o PT e o PMDB, os dois maiores partidos da aliança que elegeu a presidente.
A Polícia Federal abriu no início da semana um inquérito para investigar as acusações de um ex-funcionário do ministério, Israel Leonardo Batista, que chefiou o setor de licitações da pasta e foi afastado no início deste ano.
Em entrevista à revista “Veja”, Batista acusou o lobista Júlio Fróes de ter distribuído propinas a ele e outros funcionários depois de assegurar um contrato milionário do ministério com uma empresa que representava.
Ele reafirmou a acusação nesta semana em depoimento à PF e numa entrevista à Folha, em que afirmou que o ministério foi “corrompido” após a chegada de Rossi.
Em sua carta de demissão, Rossi afirmou que o governo virou alvo de uma “campanha sórdida” e que ele foi atingido por “acusações falsas sem qualquer prova.”
A crise na Agricultura começou em julho, quando o diretor-financeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), Oscar Jucá Neto, foi demitido após autorizar o pagamento de uma indenização milionária em circunstâncias suspeitas.

BANDIDOS
Irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), ele caiu atirando. Numa entrevista à “Veja”, disse que “só tem bandido” no ministério e sugeriu que Rossi comandava um esquema de corrupção.

Anteontem, o jornal “Correio Brazilense” revelou que Rossi viajou de carona em jatinho da Ourofino Agronegócio, empresa com interesses no ministério e ligações com o ministro e sua família.
O episódio levou peemedebistas a aconselhar Rossi a pedir demissão para evitar complicações com a Comissão de Ética Pública da Presidência, que planejava examinar seu caso em breve.
Pressões familiares também contribuíram para a decisão do ministro de sair. Em conversa com deputados, Michel Temer contou que os netos de Rossi foram hostilizados ontem na escola.
O vice disse que o aliado estava “arrasado” e narrou um diálogo que teria travado com a presidente. Temer teria dito a Dilma que os adversários do governo poderão “buscar um próximo alvo” e que será preciso “achar um jeito de resistir a isso”.
Em nota, a presidente lamentou “profundamente” a saída de Wagner Rossi e condenou o fato de o “ministro não ter contado com o princípio da presunção da inocência diante de denúncias contra ele desferidas”.
O tratamento de Dilma foi bem diferente do que ela empregou quando surgiram suspeitas de corrupção no Ministério dos Transportes, que era controlado por outro partido governista, o PR.
Antes de Rossi, deixaram o governo sob suspeita de irregularidades Antonio Palocci (Casa Civil) e Alfredo Nascimento (Transportes). Nelson Jobim (Defesa) saiu por conta de desavenças com Dilma.

Ministro ataca “Veja” e Folha em carta de demissão
Em sua carta de despedida, enviada à presidente Dilma, Wagner Rossi defende sua gestão e faz ataques à imprensa, citando a revista “Veja” e a Folha
“Sei de onde partiu a campanha contra mim. Só um político brasileiro tem capacidade de pautar “Veja” e Folha e de acumular tantas maldades fazendo com que reiterem e requentem mentiras e matérias que não se sustentam por tantos dias”, disse, sem citar o nome do tal político. 
Wagner Rossi afirmou que respondeu a todas as acusações com documentos “comprobatórios” que a imprensa, segundo ele, “solenemente ignorou”. 
Rossi disse que “alguns órgãos de imprensa partiram para a tentativa de achincalhe moral”. 
“Faziam um enorme número de pretensas “denúncias” para que o leitor tivesse a falsa impressão de escândalo, de descontrole administrativo, descalabro.” 
“Não os temo [...], mas não posso fazer da minha coragem pessoal um instrumento de que esses covardes se utilizem para atingir meus amigos ou meus familiares”, escreveu. 
O ministro disse ainda que, nos últimos dias, passou a sofrer pressões de familiares, o que precipitou seu pedido de demissão.
Leia a íntegra da carta do ministro

“Brasília, 17 de agosto de 2011

Neste ano e meio na condição de ministro da Agricultura do Brasil, consegui importantes conquistas. O presidente Lula fez tanto pela agricultura e a presidenta Dilma continuou esse apoio integralmente.

Fiz o acordo da citricultura, anseio de mais de 40 anos de pequenos e médios produtores de laranja, a quem foi garantido um preço mínimo por sua produção.

Construí o consenso na cadeia produtiva do café, setor onde antes os vários agentes sequer se sentavam à mesma mesa, com ganhos para todos, em especial os produtores.

Lancei novos financiamentos para a pecuária, recuperação de pastagens, aquisição e retenção de matrizes e para renovação de canaviais.

Aumentei o volume de financiamento agrícola a números jamais pensados e também os limites por produtor, protegendo o médio agricultor sempre tão esquecido.

Criei e implantei o Programa ABC, Agricultura de Baixo Carbono, primeiro programa mundial que combina o aumento de produção de alimentos a preservação do meio ambiente, numa antecipação do que será a agricultura do futuro.

Apoiei os produtores de milho, soja, algodão e outras culturas que hoje desfrutam de excelentes condições em prol do Brasil.

Lutei por nossos criadores e produtores de carne bovina, suína e de aves que são protagonistas do mercado internacional.

Melhorei a atenção a fruticultura, a apicultura e a produtos regionais, extrativistas e outras culturas.

Apoiei os grandes, os médios e os pequenos produtores da agricultura familiar, mostrando que no Brasil há espaço para todos.

Deus me permitiu estar no comando do Ministério da Agricultura neste momento mágico da agropecuária brasileira.

Mas, durante os últimos 30 dias, tenho enfrentado diariamente uma saraivada de acusações falsas, sem qualquer prova, nenhuma delas indicando um só ato meu que pudesse ser acoimado de ilegal ou impróprio no trato com a coisa pública.

Respondi a cada acusação. Com documentos comprobatórios que a imprensa solenemente ignorou. Mesmo rebatida cabalmente, cada acusação era repetida nas notícias dos dias seguintes como se fossem verdades comprovadas. As provas exibidas de sua falsidade nem sequer eram lembradas.

Nada achando contra mim e no desespero de terem que confessar seu fracasso, alguns órgãos de imprensa partiram para a tentativa de achincalhe moral: faziam um enorme número de pretensas “denúncias” para que o leitor tivesse a falsa impressão de escândalo, de descontrole administrativo, de descalabro. Chegou-se à capa infame da “Veja”.

Tudo falso, tudo rebatido. Mas a campanha insidiosa não parava.

Usaram para me acusar, sem qualquer prova, pessoas a quem tive de afastar de suas funções por atos irregulares ou insinuações de que tinham atuado com interesses menos republicanos nas funções ocupadas. O principal suspeito de má conduta no setor de licitações passou a ser o acusador de seus pares. Deram voz até a figuras abomináveis que minha cidade já relegou ao sítio dos derrotados e dos invejosos crônicos. Alguns deles não passariam por um simples exame de sanidade.

Ainda assim nada conseguiram contra mim. Aí tentaram chantagear meus colaboradores dizendo que contra eles tinham revelações terríveis a fazer, mas que não as publicariam se fizessem uma só acusação contra mim. Torpeza rejeitada.

Finalmente começam a atacar inocentes, sejam amigos meus, sejam familiares. Todos me estimularam a continuar sendo o primeiro ministro a, com destemor e armado apenas da verdade, enfrentar essa campanha indecente voltada apenas para objetivos políticos, em especial a destituição da aliança de apoio à presidenta Dilma e ao vice-presidente Michel Temer, passando pelas eleições de São Paulo onde, já perceberam, não mais poderão colocar o PMDB a reboque de seus desígnios.

Embora me mova a vontade de confrontá-los, não os temo, nem a essa parte podre da imprensa brasileira, mas não posso fazer da minha coragem pessoal um instrumento de que esses covardes se utilizem para atingir meus amigos ou meus familiares.

Contra mim nem uma só acusação conseguiram provar. Mas me fizeram sofrer e aos meus. Não será por qualquer vaidade ou soberba minha que permitirei que levem sofrimento a inocentes.

Hoje, minha esposa e meus filhos me fizeram carinhosamente um ultimato para que deixasse essa minha luta estóica mas inglória contra forças muito maiores do que eu possa ter. Minha única força é a verdade. Foi o elemento final da minha decisão irrevogável.

Deixo o governo, agradecendo a confiança da presidenta Dilma, do vice-presidente Michel Temer, do presidente Lula e dos líderes, deputados, senadores e companheiros do PMDB e de todos os partidos que tanto respaldo me deram.

Agradeço também a todos os leais colaboradores do Ministério da Agricultura, da Conab, da Embrapa e de todos os órgãos afins. Penso assim ajudar o governo a continuar seu importante trabalho, retomando a normalidade na agricultura.

Finalmente, reafirmo: continuo na luta pela agropecuária brasileira que tanto tem feito pelo bem de nosso Brasil. Agradeço as inúmeras manifestações de apoio incondicional da parte dos líderes maiores do agronegócio e de suas entidades e também aos simples produtores que nos enviaram sua solidariedade.

Deus proteja o produtor rural e tantos quanto lutem na terra para produzir alimentos para o mundo. Deus permita que tenham a segurança jurídica necessária a seu trabalho que o Congresso há de lhes garantir. Lutei pela reforma do Código Florestal. É importante para o Brasil. Outros, talvez mais capazes, haverão de continuar essa luta até a vitória.

Confio que o governo da querida presidenta Dilma Rousseff supere essa campanha sórdida e possa continuar a fazer tanto bem ao nosso país.

Sei de onde partiu a campanha contra mim. Só um político brasileiro tem capacidade de pautar “Veja” e “Folha” e de acumular tantas maldades fazendo com que reiterem e requentem mentiras e matérias que não se sustentam por tantos dias.

Mas minha família é meu limite. Aos amigos tudo, menos a honra.

Wagner Rossi”

 

 

 

Análise: Queda de Rossi testa relação Dilma-Temer

Demissão do ministro da Agricultura ocorre no momento em que a presidente tentava aproximação com o vice

 Wagner Rossi é o quarto ministro a cair no governo de Dilma Rousseff. Ela é a presidente eleita pelo voto direto e em primeiro mandato que mais alterou a Esplanada no início da administração.
A queda de Rossi tem relevância especial, pois ele é filiado ao PMDB e carregava uma característica especial: era uma pessoa cujo cargo era bancado politicamente pelo vice-presidente da República, Michel Temer.
A saída do ministro da Agricultura será um teste de estresse na relação entre Dilma e Temer -e, por extensão, entre o governo e o PMDB.
É irônico que a demissão de Rossi tenha se dado no exato momento em que a presidente tentava uma aproximação com Temer. Por sugestão direta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Planalto ensaiava um contato mais regular e harmônico com os partidos da chamada base aliada.
Temer e Dilma nunca foram íntimos, para dizer o mínimo. As conversas foram raras nos primeiros sete meses de governo. Mas nesta semana eles mantiveram vários contatos. Foi quando acabou caindo Rossi.
Para todos os efeitos, a queda se deu porque o ministro da Agricultura não suportou as pressões e os efeitos do noticiário negativo sobre sua família.
Ainda assim, a saída de Rossi produziu ontem entre os políticos as mesmas análises recorrentes sobre as razões da atual onda de demissões. Entre os governistas, atribui-se à inapetência de Dilma pela micropolítica o desarranjo na Esplanada.
Num governo coeso, é sempre mais difícil encontrar alguém disposto a fornecer pistas, indícios e muito menos provas contra ministros de Estado. Mas Dilma eximiu-se no primeiro semestre de arbitrar desavenças derivadas da fisiologia miúda da política. Sem a figura central da presidente, quatro ministros e dezenas de funcionários no primeiro escalão já perderam a cadeira.
Nos próximos dias, os comportamentos de Michel Temer e do PMDB servirão para indicar se houve alguma mudança na forma de operar da presidente ou não.
O primeiro sinal será a sucessão no Ministério da Agricultura. Votações no Congresso também servirão de termômetro. A presidente terá de acelerar a sua agenda de contatos com partidos e políticos aliados, sobretudo com peemedebistas, para conter a degradação do clima no governo -agora num dos seus piores momentos.

 Última atualização em Qui, 18 de Agosto de 2011 08:52 

Fonte: Folha de S. Paulo – CATIA SEABRA, NATUZA NERY, ANA FLOR, MARIA CLARA CABRAL E GABRIELA GUERREIRO -  FERNANDO RODRIGUE

  
Temer indica outro aliado para assumir Ministério da Agricultura 
Dilma aceitou nome de Mendes Ribeiro, mas ainda não fez o convite.
 
 

 

 

Por cinabrio
cinabrio blog

Comentar este post